Home » Artigos de Saúde » Cardiologia
Como se Anuncia o Infarto: Os Principais Sintomas, Prevenção e Fatores de Risco

"As doenças cardíacas são, atualmente, as que mais matam pessoas no mundo inteiro. Sabe-se que existem fatores hereditários na origem dessas doenças que são agravados pela associação com os chamados fatores de risco. Os fatores hereditários só poderão ser alterados, no futuro, com a Bioengenharia Genética. Em relação aos fatores de risco, atualmente, cada pessoa deve e pode influir, preventivamente sobre: obesidade, pressão arterial, falta de exercícios, nível de colesterol, fumo, álcool, diabetes, etc".



Um estudo feito por pesquisadores em cerca de 1.600 hospitais americanos, concluiu que uma em cada três pessoas que sofre um ataque cardíaco não sente dor no peito. Em certos grupos de pacientes, como mulheres, diabéticos e idosos, a incidência do sintoma era significativamente menor. Segundo John Canto, coordenador da pesquisa, pouca gente conhece os outros indicativos de um infarto. O resultado é que o paciente demora mais para receber o tratamento correto e o atraso pode ser fatal. Segundo ele, quem não sente as dores corre duas vezes mais risco de morrer ao chegar ao ambulatório.

O infarto é a falta de circulação em uma área do músculo cardíaco, cujas células morrem por ficarem sem receber sangue com oxigênio e nutrientes. Segundo Luiz Francisco Ávila, cardiologista do Instituto do Coração (Incor), de São Paulo, a interrupção do fluxo de sangue para o coração pode acontecer de várias maneiras. "A gordura vai se acumulando nas paredes das coronárias, as artérias que irrigam o próprio coração. Com o tempo, forma placas, impedindo que o sangue flua livremente. Assim, basta um espasmo (provocado pelo estresse) para que a passagem da circulação se feche", diz o médico. Outra possibilidade ocorre quando a placa cresce tanto que obstrui completamente a passagem do sangue. Ou seja, o infarto pode acontecer por entupimento (quando as placas de gordura entopem completamente a artéria, o sangue não passa). Assim, as células no trecho que deixou de ser banhado pela circulação acabam morrendo.

Segundo o especialista, o principal sinal é a dor muito forte no peito, que pode se irradiar pelo braço esquerdo e pela região do estômago. "Em primeiro lugar, deve-se correr contra o relógio, procurando um atendimento imediato, pois a área do músculo morta cresce como uma bola de neve com o passar do tempo", alerta Ávila.

Atenção para os sinais e sintomas de um possível ataque cardíaco:

1) uma pressão desconfortável no peito ou nas costas que demora mais do que alguns minutos para ir embora.
2) a dor espalha-se para os ombros, pescoço ou braços.
3) A dor no peito vem acompanhada de tonturas, suor, náusea, respiração curta ou falta de ar e sensação de plenitude gástrica.

Os médicos alertam que nem todos estes sintomas ocorrem em cada ataque. Algumas vezes podem ir e voltar.



A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) vai preparar estudantes de 12 a 15 anos para atuar em casos de infarto. A SBC, representante oficial dos cursos de treinamento em emergências cardíacas e de ressuscitação do American Heart Association (AHA) no Brasil, está implementando treinamento para habilitar adolescentes a tomar as primeiras providências e prestar os primeiros-socorros a uma pessoa que esteja sofrendo de uma emergência cárdio-respiratória (engasgo, infarto, parada cárdio-respiratória), ou de uma emergência cerebral (derrame). O curso começará em escolas paulistas, no início deste ano, e depois se estenderá por todo o Brasil.

Nas aulas, os jovens vão aprender como identificar os ataques cardíacos e quais são os procedimentos de primeiros socorros. Haverá ainda uma simulação de infarto com o uso de um boneco norueguês, que receberá massagem cardíaca e respiração artificial. "O curso tem finalidade educativa, pois visa medidas preventivas contra acidentes, como deixar pequenos objetos perto de crianças menores, e a programas de promoção à saúde que devem ser iniciados na infância e na adolescência", diz o cardiologista Flávio Tarasoutchi, da SBC e diretor do curso. Ele conta que serão abordados temas como estilo de vida, alimentação e esportes durante as palestras.

Estatísticas demonstram que os filhos geralmente estão presentes no momento de uma emergência cárdio-respiratória. O treinamento intitulado Ressuscitação Cardiopulmonar na Escola orientará o estudante para que reconheça os primeiros sinais e sintomas dessas emergências; peça ajuda e atue como prestador de primeiros-socorros em qualquer local. Ao longo do curso, o aluno aprenderá todos os passos a serem adotados para o socorro; o reconhecimento precoce do ataque cardíaco, e os primeiros-socorros, que incluem a ressuscitação cárdio-respiratória da vítima que pode estar sofrendo um infarto agudo do miocárdio, mas que ainda não apresentou os sinais de uma parada cardíaca.



Um estudo do cardiologista Carlos Scherr, autor do livro "Prepare seu Coração - Como prevenir a Doença Coronariana", definiu os fatores de risco mais comuns nos casos de doenças coronarianas. O trabalho foi desenvolvido com cerca de 2.500 pacientes (idade média de 64 anos, sendo 69% homens) que passaram por infarto e foram submetidos à cirurgia de revascularização (ponte de safena e/ou mamária) ou a angioplastia. "Os principais fatores de risco são hipertensão arterial, tabagismo, história familiar de eventos coronarianos, alterações de colesterol e o sedentarismo (definido como atividade física realizada menos de 3 vezes por semana)", afirma Scherr. Segundo ele, notou-se que tirando o cigarro às mulheres tem maior presença em todos os fatores comparados aos homens. "Também achamos um maior acúmulo de risco em pacientes com menos de 55 anos comparados aos com mais de 65 anos", diz.

Dados apontaram também que uma pessoa que possui dois ou mais destes fatores tem risco aumentado de apresentar obstruções coronarianas. Segundo o médico, as mulheres e os mais jovens em particular têm sinais marcantes de maior risco, o que permitiria um diagnóstico mais precoce, evitando danos definitivos, retardando ou mesmo evitando a doença. "Neste estudo percebemos ser possível, através da história clínica do paciente e do exame físico, a identificação deste grupo mais vulnerável como um todo. Estes dados servem de alerta para aqueles que não desejam desenvolver esta patologia", explica Scherr.



Um teste de sangue simples e barato pode revelar com mais precisão quem tem maior risco de morrer de um ataque cardíaco. A pesquisa feita pela Universidade de Duke, nos Estados Unidos, mostra que mesmo pequenas alterações na quantidade de uma enzima, a CKMB, podem indicar lesão no coração. Segundo os pesquisadores, muitas vezes o exame clínico e o eletrocardiograma não são suficientes para constatar se o paciente corre ou não risco de infarto. A pesquisa mostrou que as dosagens de CKMB e de proponina (outra enzima) são mais confiáveis nesses casos.



Segundo uma pesquisa publicada no jornal americano Heart, a saúde do coração feminino varia com o ciclo menstrual. Durante as semanas imediatamente antes e depois da menstruação, aumenta a ocorrência de dores no peito e infartos. A irrigação do músculo cardíaco também diminui. A causa é a diminuição no organismo dos níveis de estrogênio, hormônio que protege os vasos sanguíneos. Na realidade, a culpa é de uma substância chamada homocisteína, considerada um agressor natural das artérias. Segundo a pesquisa, a diminuição de estrogênio e o aumento de homocisteína prejudicam a circulação e abrem caminho para que ocorram males cardíacos.

Fonte: Artigos de Saúde da Internet

 
Outros artigos
Atividade Física - Perguntas e Respostas
Infarto cardíaco: o ataque do coração
Doenças Cardíacas: um mal que se pode prevenir
Infarto cardíaco: o ataque do coração
Todas as informações contidas neste site têm a intenção de somente informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento.

Decisões relacionadas a tratamento de pacientes devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

“NÃO TOME NENHUM MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PREJUDICIAL PARA SUA SAÚDE”.
Consulte Também
Bulário NOVO!
Laboratórios
Medicamentos Genéricos
Medicamentos Referência
Perguntas e Respostas
Medicamentos Genéricos
Embalagem
Glossário
O que são Genéricos
Quem somos?
Quem Somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Adicionar Favoritos
Indique este site
Links Rápidos
Alertas e Informes ANVISA
Unidades Públicas de Saúde
Conselho Nacional de Saúde
Conselho Federal de Farmácia
© 2017 Busca Remédio - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade