Home » Notícias de Saúde
15/03/2009 - Falta de apoio dos médicos restringe crescimento do uso de genéricos

Ponto positivo para os genéricos

Estimular a oferta no mercado de remédios, melhorar a qualidade, além de reduzir os preços e facilitar o acesso da população aos tratamentos são as determinações da Lei dos Genéricos, criada em fevereiro de 1999. Os objetivos apontados pelo Ministério da Saúde há exatamente dez anos parecem ter sido concretizados se os registros da indústria de genéricos forem levados em consideração.

Hoje, a variedade de medicamentos genéricos e a quantidade de empresas farmacêuticas produtoras cresceram mais de 100% em relação ao ano em que começou essa produção, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró-Genéricos). Em 99, apenas oito empresas eram cadastradas na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a fabricação desses remédios. Hoje, essa relação inclui 83 farmácias. "Cresceu dez vezes em um período de dez anos", afirma Odnir Finotti, presidente da Pró-Genéricos.

Já foram registrados 2.600 produtos genérico em farmácias, número que representa 18% do mercado. Para Finotti, os dados atuais indicam resultados positivos na indústria. "O mercado está muito bom. Temos registrados 2.600 produtos, o que significa que você pode tratar praticamente 90% das doenças do dia-a-dia", destaca.

 

Próximos alvos dos genéricos

Doenças respiratórias, como a asma, serão os próximos alvos dos genéricos. Medicamentos para o tratamento da doença com preços mais acessíveis e com a mesma qualidade que os de marca logo estarão no mercado. "Estamos trabalhando com a possibilidade de a Anvisa criar a regulamentação de medicamentos, por exemplo, para asma. As chamadas bombinhas estão sendo criadas, assim como produtos para rinite alérgica, os sprays nasais", relatou Finotti.

Por lei, o custo do medicamento genérico ao consumidor deve ser 35% menor que o do produto de marca. Dados da Pró-Genéricos mostram que com as variações de preço no mercado farmacêutico nos últimos dez anos, já foram economizados cerca de R$ 10,5 bilhões. "Uma economia substancial, principalmente nos últimos quatro anos", diz o presidente da associação.

 

Falta de apoio dos médicos

No entanto, tanto os dados da economia quanto a presença dos genéricos nas casas dos consumidores poderiam ser maiores caso a Lei dos Genéricos fosse cumprida pelos profissionais. "Existe uma regulamentação sanitária que diz que o médico é quem deve receitar medicamento. E, na farmácia, quem pode dispensar ou substituir por um genérico é o farmacêutico. Se essa legislação fosse cumprida, certamente o genérico teria muito mais participação", acredita Finotti, que lembra também o benefício que a compra faz para o bolso do consumidor. "Considerado o apelo que ele tem, de funcionar como produto de referência mas com um preço em média 50% mais barato, não usar o genérico, se disponível, não é nem sensato. É jogar dinheiro fora mesmo".

 

Fonte: Agência Brasil

 
Outras notícias
15/03/2009 - O que é Osteoporose - Medidas Preventivas
15/03/2009 - Saiba mais sobre um dos principais problemas de saúde no Brasil: A Hipertensão...
15/03/2009 - Qual o rémédio para gripe suina?
15/03/2009 - O que é gripe suina?
15/03/2009 - Ministério da Saúde monitora 20 casos suspeitos de gripe suína no Brasil
15/03/2009 - Anvisa alerta: Cuidados para não comprar medicamentos falsificados
15/03/2009 - Técnica reduz risco de lesão em bebês com falta de oxigenação
15/03/2009 - Dieta com muitas gorduras prejudica fertilidade da mulher
15/03/2009 - Lipo a laser elimina até 4 cm de gordura localizada numa sessão
15/03/2009 - Consumir diariamente frutas, verduras e legumes, diminui o risco...
15/03/2009 - Casos de dengue aumentam 270% na Bahia
15/03/2009 - Teste detecta Alzheimer no princípio da doença
15/03/2009 - Nanotecnologia cria próteses com menor risco de rejeição
15/03/2009 - Brasileiros descobrem protetor solar sem efeitos colaterais
15/03/2009 - Brasil faz primeiro sequenciamento do genoma do câncer de mama
Todas as informações contidas neste site têm a intenção de somente informar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento.

Decisões relacionadas a tratamento de pacientes devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

“NÃO TOME NENHUM MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER PREJUDICIAL PARA SUA SAÚDE”.
Consulte Também
Bulário NOVO!
Laboratórios
Medicamentos Genéricos
Medicamentos Referência
Perguntas e Respostas
Medicamentos Genéricos
Embalagem
Glossário
O que são Genéricos
Quem somos?
Quem Somos
Política de Privacidade
Fale Conosco
Adicionar Favoritos
Indique este site
Links Rápidos
Alertas e Informes ANVISA
Unidades Públicas de Saúde
Conselho Nacional de Saúde
Conselho Federal de Farmácia
© 2017 Busca Remédio - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade